Economia

A importância da educação financeira para jovens

Controle nas financias

Apesar de a juventude ser uma das fases mais favoráveis para se planejar o futuro, muitas vezes não é bem isso que acontece. Por esse motivo, o desafio de promover a educação financeira aos jovens pode ser subestimado. 

Infelizmente, estamos falando de uma geração vítima das propagandas e tecnologias, que não sabem a importância de poupar o dinheiro, se endividam muito cedo e têm pouca ou nenhuma orientação financeira.

Apesar de diversas escolas já terem adotado a Educação Financeira como disciplina em suas grades curriculares, para estudantes de Ensino Infantil e Médio, se adiantando à Estratégia Nacional de Educação Financeira (Enef) e à Lei 171/09, que aguarda aprovação no Senado e trata a obrigatoriedade de ensinar educação financeira nas escolas das redes privadas e públicas. 

No entanto, este conceito consiste em aplicação prática, estes jovens precisam também de um suporte familiar para terem o melhor aproveitamento possível destes conhecimentos.

Por isso, preparamos este artigo com algumas dicas importantíssimas e que já fazem parte da realidade desta nova geração de jovens que gostam de garantir o futuro com uma vida tranquila e financeiramente controlada.

A importância da educação financeira para jovens 

Antes de começarmos a falar sobre as recomendações que vamos dar, é imprescindível termos em mente o motivo desse assunto merecer mais atenção. Esse tema é essencial para todas as gerações e idades, mas deve ser introduzido principalmente entre os jovens. Quanto mais cedo uma pessoa aprender lidar com seu dinheiro, mais possibilidade de assegurar um futuro melhor ela terá. 

Além disso, os benefícios de uma vida financeira saudável não se apresentam somente daqui a dez ou vinte anos: quem sabe como controlar o que gasta e organizar as finanças, se depara com resultados rápidos que alcançam segurança e tranquilidade para levar uma vida confortável e longe das preocupações que caminham ao lado das dívidas.

As dicas que vamos fornecer são instruções simples, mas que demandam uma disciplina aplicada para funcionar de forma adequada. 

Não adianta começar seguindo os passos e depois largar na metade do caminho: a organização e a determinação, são uma das principais vertentes para criar um estilo de vida confortável e seguro. 

Dicas valiosas de educação financeira para jovens

1. Analise sua situação financeira atual

Antes de fazer qualquer escolha, faça um levantamento da situação. Você tem dívidas? mantém algum dinheiro guardado? Qual é o seu perfil de consumo?  Quanto da sua renda vai para despesas fixas e quanto para gastos supérfluos? Quanto você ganha é compatível com essas despesas?

Esses questionamentos vão te ajudar a traçar seu perfil como consumidor e a partir dele, você poderá definir um plano de ação, tenha ele o objetivo de quitar dívidas ou começar a poupar seu dinheiro. 

2. Planeje todos os seus gastos

O que você acha de criar planos para o seu bolso de agora em diante? Saber exatamente para onde ele está indo e definir as suas metas a longo, médio e curto prazo?

Ter respostas para essas perguntas é essencial para criar um planejamento funcional. Quando você se organiza, seu dinheiro é aproveitado de forma consciente impedindo que ele seja desperdiçado. 

Por exemplo: se a sua meta é comprar um carro a médio prazo, analise quanto é cabível guardar mensalmente para que seja possível realizar a compra em determinado tempo.

Faça uma lista do que você deseja para o futuro, não importa se é para daqui a um mês ou alguns anos, porém seja fiel e estabeleça objetivos realista. 

Faça um cronograma, defina o tempo e o valor necessário para cada objetivo. E não esqueça de dar prioridade para eles, de ter a determinação de separar a quantia necessária mensalmente.

3. Crie uma poupança

Após organizar os gastos, crie uma poupança, que continua sendo a melhor opção para quem tem o intuito de guardar dinheiro. Tenha como objetivo não apenas alcançar suas metas, mas também poupar para criar uma reserva como plano para lidar com crises e imprevistos. 

Esta prática deve fazer parte do seu planejamento, para que você não fique desamparado nestes eventos. 

É como diz o ditado “dinheiro na mão é vendaval”. Portanto, não arrisque ver seu salário desaparecer sem você sequer saber onde ele se escondeu. Programe no seu planejamento um valor mensal a ser adicionado à poupança e mantenha o controle.

4. Não gaste mais do que ganha

Essa dica pode parecer óbvia, mas segundo a pesquisa da ACSP (Associação Comercial de São Paulo), jovens com menos de 35 anos são detentores do valor de 67% dos inadimplentes no país. Claro, que isso é um reflexo de um hábito muito comum entre muitos: gastar mais do que ganha. Principalmente nos dias de hoje em que vivemos uma constante evolução da propaganda. 

Resumindo, evitando acabar o mês negativado e precisar fazer mais débitos, tente utilizar a regra dos 50-15-35. É um mecanismo simples que tem como objetivo ajudar a controlar as despesas do mês levando em consideração três grandes grupos:

→ 50% em gastos essenciais, ou seja, aquele valor necessário para manter as principais necessidade do seu dia a dia;

→ 15% para compromissos prioritários, como a quitar dívidas, caso esteja devendo; ou para adicionar a uma reserva de emergência;

→ 35% para assegurar seu estilo de vida. Aqueles gastos que não são primordiais e podem ser ignorados em um momento de crise.

5. Corte as despesas desnecessárias

Comprar por impulso é um hábito que precisa ser modificado imediatamente. Até mesmo os gastos não essenciais devem ser feitos de maneira responsável, pois esse erro é muito comum e leva a maioria dos jovens a se endividarem.

Busque manter um estilo de vida dentro daqueles 35% falados acima, para não comprometer as prioridades. 

Sabemos que mudar de hábitos não é tarefa muito fácil, mas com determinação e disciplina tudo é possível. Comece na sua casa. Evite desperdícios, as saídas para comer fora ou pedir aquela pizza tarde da noite e monitore seus produtos do supermercado.

O grande objetivo dessas dicas é ensinar você a consumir de maneira responsável e ainda economizar para alcançar seus planos e metas.

6. Utilize os benefícios da tecnologia

Vivemos em tempos em que a tecnologia e o acesso à informação se aprimoram diariamente, existem diversas ferramentas online que vieram para agilizar nossa vida, a maioria delas está ao alcance das nossas mãos, basta utilizar o smartphone e podemos realizar diversas atividades, algumas delas são: realizar pagamento de boletos e muitos outros procedimentos bancários, que foram simplificados para que possamos agregá-los ao nosso cotidiano. 

Estas ferramentas são verdadeiras aliadas para aqueles que estão começando a se organizar, pois oferecem excelentes alternativas de gestão financeira.

Para concluir devemos frisar que é preciso saber curtir a fase da juventude e ao mesmo tempo, planejar o futuro, poupando e priorizando a realização dos seus sonhos, coloque como uma meta também a aposentadoria sustentável e tranquila. 

Nós devemos assumir a responsabilidade de transmitir o conhecimento que acumulamos ao longo dos anos de vida para ajudar a formar uma sociedade mais consciente deixando uma mensagem de incentivo,  para que cada vez menos tenhamos que lidar com os reflexos negativos devido a falta deste tipo de orientação para nossos jovens.

 

Darf: O que é? Quem precisa pagar? Como funciona? E se tiver atrasado?

Kaua Rodrigues

Quais são os tipos de impostos federais, estaduais e municipais?

Clara Gomes

O melhor conselho para economizar dinheiro mais rápido para uma viagem

Rafael Araujo